terça-feira, 28 de abril de 2009

domingo, 26 de abril de 2009

Oficina de fotografias Unicamp

Tecnologia na sala de aula

TECNOLOGIA NA SALA DE AULA: COMO DIRECIONAR PARA FACILITAR A APRENDIZAGEM?





José Rogério Bittencourt







(Velocidade e rapidez). Essas são as palavras que temos em mente de imediato, ao tratarmos de assuntos ligados à tecnologia (o nosso mundo moderno). No mundo virtual tudo é automático, pois esse novo planeta Terra gira em torno do Sol e seu giro é em tempo real (on-line).

Não temos mais como negar essa realidade: a tecnologia é a ferramenta que todo professor deverá dominar na nova empreitada do ensino-aprendizagem. Dominar para se sobressair. Sobressair-se para sobreviver. E como entender então a relação dessa tecnologia avançada que dia a dia domina todos os meios de comunicação, informação, lazer, educação, nas mais diversas formas e mídias, com o desenvolvimento das capacidades da aprendizagem humana? Será que essa evolução tecnológica e essa capacidade de aprendizagem andam numa mesma velocidade? Poderíamos comparar tecnologia (conhecimento e domínio de recursos tecnológicos) com aprendizagem (assimilação e aproveitamento de informações) tendo como ponto de partida o ensino escolar (professor, aluno e sala de aula)?

A nossa realidade infelizmente é outra. Diria até uma realidade amarga. É notório observar que uma boa quantidade dos professores que atuam nas nossas redes de ensino ainda trabalham como há vinte ou trinta anos atrás, naquela forma arcaica e limitada do qual nós, acadêmicos desse mundo moderno, fomos educados na infância. Professores amorosos e prestativos de guarda-pó branco que folheavam livros e corrigiam nossos cadernos, giravam mimeógrafos e aspiravam a poeira dos quadros de lousa, conferindo nossas tarefas e autografando nossas cadernetas. Hoje eles se preocupam com um futuro que chegou antes do previsto. Eles trocam idéias sobre essas inovações, buscam as novidades de um futuro tão presente que já é parte do passado (e tentam correr atrás desse prejuízo). São conscientes da necessidade de se enquadrar à nova legião de educadores “plugados” à essas novas tendências.

Temos que entender essa diferença de “velocidades” entre a acessibilidade à tecnologia e a aparente barreira do comodismo que ainda insiste imperar sempre que o assunto é “mudança” (inovação).

Seria tão difícil mostrar que, para se ter um ensino de qualidade e à altura de nosso tempo, temos que acompanhar todo esse processo de evolução tecnológica e reconhecer que uma sala de aula deve ser encarada pelo professor como o ponto de partida desse “novo ensinar”, tornando esse mundo virtual (internet e suas mídias eletrônicas) suas ferramentas “facilitadoras”, dando apoio e sustentação, fazendo o diferencial, dando complemento, sendo parceiros coadjuvantes no novo processo de aprendizagem. Cabe à isso uma análise mais criteriosa, desde a elaboração e implantação dessas tecnologias no currículo de uma escola até a seleção e contratação de cada profissional dentro desse quadro docente.

Usar um computador, enviar um e-mail, acessar um site e assistir a uma entrevista (em tempo real), absorvendo e transferindo dados para todo o mundo de forma prática (e muito rápida), podem, por si só, mostrar uma realidade de nosso cotidiano, quando estamos em casa, descansando num final de semana ensolarado. É fácil e é gostoso (puro lazer). Dá prazer e descontrai. O que realmente acontece quando o assunto é tecnologia “da educação”, “na educação” e “para a educação”, e como tornar o seu uso acessível dentro de um ambiente escolar, é que, na escola, todos (alunos ou professores) conhecem a sua utilização, suas vantagens, dominam os mais diferenciados recursos e novidades tecnológicas.

Então, o obstáculo não é o acesso ao recurso material, e sim, o seu direcionamento (objetivos dentro da aprendizagem). Temos que saber utilizar os recursos de forma que possamos interagir com os conteúdos das disciplinas, dando real significado à sua assimilação, para que os alunos realmente saiam lucrando com isso, naturalmente, por suas próprias necessidades. É mais fácil assimilar um conteúdo quando existe esse interesse. É mais fácil o aluno assimilar uma informação quando lhe interessa. Se existe a necessidade em aprender, esse desejo vai facilitar todo o processo. Assim deve acontecer com a tecnologia na educação no processo de aprendizagem e é isso que deve ser analisado e estudado. Como aproveitar melhor todo esse aparato tecnológico, utilizar essa rapidez de receber e transmitir dados, dando um novo significado ao aprendizado através de seus verdadeiros objetivos, fazendo com que tecnologia e aprendizagem sejam capazes de gerir no aluno um aprendizado verdadeiro e diferenciado à partir de seu próprio interesse?

Tecnologias na Educação

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA


Marta Cristiana Lucena Ramos




Estamos em constantes transformações, seja na área de transportes, comunicação ou até mesmo das novas tecnologias, onde altera o cotidiano da sociedade, que se vê em constantes desafios para acompanhar essa evolução.
Então viver em sociedade exige vários conhecimentos, que devem ser acompanhados com a mesma velocidade que acontecem essas transformações, pois temos que ser capazes de lidar com a complexidade da vida moderna, e essa exigência vai desde operar um simples eletrodoméstico a utilizar os meios de comunicação e recursos tecnológicos. Podemos observar que essas transformações exigem processos de formação do individuo, cabendo então á escola esse papel, de ensinar aos alunos os conteúdos, e também garantir habilidades para a vida em sociedade.

No trabalho com a educação, os conteúdos devem ser relacionados com a realidade dos alunos para que promova uma maior significação na aprendizagem, a utilização dos meios é muito útil e possibilita a transmissão da informação de maneira mais agradável, alegre e de fácil assimilação. O objetivo da tecnologia é auxiliar o aumento do conhecimento.

O professor leigo tecnológico está perdendo seu espaço na escola, esses profissionais precisam se capacitar, participar de cursos de formação continuada, relacionar-se com outros professores que mudaram sua prática educativa, ouvir experiências positivas para entender que precisam mudar, pois o mundo mudou e está sempre em movimento, assim também como as pessoas. A introdução dos recursos tecnológicos é de fundamental importância no processo educativo.

O professor tradicional, preocupado apenas com a transmissão dos conteúdos e com os exercícios de repetição para a aprendizagem, tem medo de ser substituído pela internet, pois ela está ao alcance de todos e os conteúdos estão á disposição dos alunos pesquisadores. Caso suas aulas sejam apenas expositivas, é provável que seus alunos digam “isso eu já vi quando acessei a internet”, portando é necessário que os professores aproveitem os recursos tecnológicos, planejem aulas contextualizadas, mostradas de maneira atrativas, para dispertar o interesse e a curiosidade dos alunos. O professor precisa também criar no aluno a necessidade de aprender, que essa, será a sua força no processo de construção do conhecimento.

É importante também dizer, que a simples utilização dos recursos tecnológicos, sem um planejamento adequado, não garantirá um ensino qualificado, sendo assim é de suprema importância, um projeto educativo com conteúdo, método e objetivos didáticos a serem alcançados.

Segundo Miller, existe quatro princípios essenciais para a instrução: motivação, pista, resposta e recompensa. O aluno deve ser motivado com base naquilo que ele já possui de conhecimento, e precisa reconhecer as pistas relevantes para a aprendizagem, assim o aluno dará respostas, participando, aplicando ou transformando o conhecimento adquirido e por último ele precisa receber a recompensa pelo que tenha feito que é mais efetiva a, imediata, do que aquela recebida em longo prazo.

A escola tem um papel fundamental na formação do individuo, que deve preparar os alunos para a vida na sociedade e para a vida profissional, uma vez que o mercado de trabalho está a cada dia mais competitivo, exigindo um nível educacional mais alto e buscando profissionais críticos, autônomos e criativos

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Lista dos blogs dos professores

1)Débora e Ismar: deboraheismar.blogspot.com
2)Claudiana e Silvana: claudianaesilvana.blogspot.com
3)Rosana e Mara: rosanaemara.blogspot.com
4)Rafaela e Thelma: rafaelathelma.blogspot.com
5)Tereza e Rita: ritatereza.blogspot.com
6)Miriam e Nair: miriamenair.blogspot.com
7)Denilda e Durival: deniedurival.blogspot.com
8)Cintia, Ana Lucia, Niraldo: analunepos.blogspot.com
9)Renata e Rosana: renataerosana.blogspot.com
10)Marcia e Claudia: marciaeclaudia.blogspot.com
11)Simone e Andréia: circodosastros.blogspot.com
12)blog da Simone: sentaquelavem1001historias.blogspot.com
13)Gisele e Tie: giseletie.blogspot.com
14)Cláudia e Ieda: claudiaeieda.blogspot.com
15)Ambrosina e Joana: ambrosinajoana.blogspot.com
16) Sonia e Malu: soniaemalu.blogspot.com
17) Wolney e Renato: renatoewolney.blogspot.com
18) Elizandra e Girlene: elizandraegirlene.blogspot.com
19) Robney e Mariangela: robemari.blogspot.com
20) Eliana e Juliano: beabola.blogspot.com

Para todos os nossos alunos do mês de Abril. Parabéns! Muitas felicidades! de suas professoras Claudiana e Silvana

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Canal da Silvana

www.youtube.com/salamasil

quarta-feira, 15 de abril de 2009